yazilimweb tasarim

16ABR2014 – CIÊNCIA ABERTA ” Epigenética, ou a ciência da expressão dos genes”

No dia 16 realiza-se a segunda sessão dedicada à divulgação dos últimos desenvolvimentos da ciência pelo nosso amigo Manuel Baptista. Depois do interesse e da forma clara e competente como correu a sessão inaugural só podemos esperar mais uma noite em que vamos ficar a saber mais sobre como somos, como evoluímos e sobre o mundo em que vivemos. A não perder

Depois da descoberta, no virar do século, da sequência completa do DNA do genoma humano, muito resta por descobrir.
Com que se parecem os cerca de 26 mil genes, necessários para construir um indivíduo? Nós apenas conhecemos as funções e os produtos de um certo número de genes, a maioria está por identificar, quanto mais por conhecer nas suas complexas expressões.

Muitas regulações são fundamentais, na medida em que a expressão dos genes e sua regulação é responsável pelo desenvolvimento do indivíduo, desde o ovo até às mais diversas etapas da vida.
Assim como num texto existem muitos sinais que não são palavras, mas são importantes para o significado e interpretação do texto, também no texto genético, existem pontuações com um papel importante na expressão dos mesmos genes. Começam-se agora a compreender as diversas modalidades de pontuação, que permitem desenvolver um organismo no espaço e no tempo. Ao fim e ao cabo, de uma sequência linear, unidimensional, no DNA, para o domínio tridimensional da arquitetura das células, dos tecidos e das partes do corpo e mesmo na quarta dimensão – no tempo – com as modificações que ocorrem ao longo da vida.
Não apenas os processos normais da formação e desenvolvimento (ontogénese), mas também muitas doenças, estão dependentes de uma gama de processos designados «epigenéticos».

Compreende-se que a Epigenética seja uma área de investigação muito dinâmica, que já está a revolucionar outros campos da biologia: expressão genética, biologia do desenvolvimento, imunologia, genética médica e muitos outros …

Vamos apresentar uma panorâmica da epigenética, nos últimos 15-20 anos.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *