yazilimweb tasarim

5DEZ2014 – Aula Aberta de KIZOMBA

Nesta sexta-feira pelas 21h30 quem desejar aprender ou simplesmente ir dançar Kizomba pode ir à Fábrica de Alternativas que estará lá gente pronta a ensinar. Festa.
às 20 horas haverá jantar confeccionado pelos Kizombeiros de Serviço
marcações para o jantar pelo mail:
fabrica.de.alternativas@gmail.com

kizomba é um género musical e um estilo de dança originários de Angola , erradamente confundido com o zouk, devido ao ritmo ser muito semelhante. Em Portugal a palavra “kizomba” é usada para qualquer tipo de música derivada do zouk, mesmo que não seja de origem angolana.

Nas décadas de 1950 e 1960 em Angola dançava-se nas grandes farras, conhecidas por “kizombadas” muitos estilos musicais tipicamente angolanos, como o merengue angolano o semba, a maringa e o caduque (que deu origem à rebita). A kizomba, como dança, tem origem exatamente nessas farras, com dançarinos de renome como Mateus Pele do Zangado, João Cometa e Joana Perna Mbunco ou Jack Rumba, que eram os mais conhecidos e escreviam no chão as passadas notórias dos seus estilos de exibição ao ritmo do semba. Estas passadas evoluíram com o tempo para um estilo mais lento acompanhando também um ritmo menos corrido do semba, já típico na década de 1970 e conhecido por semba lento, um ritmo menos tradicional mas mais do agrado dos jovens, tornando-se uma mescla de ritmos e de sabores, uma dança plena de calor e de sensualidade que propicia uma verdadeira cumplicidade e empatia entre os pares 1 . Este estilo começou a evoluir entre 1980 e 1981 com grupos como Os Fachos, um grupo ligado às FAPLA e liderados por Bel do Samba e os Afro Sond Star que misturavam o semba lento com a kilapanda levando ao aparecimento do ritmo conhecido por kizomba .

O termo kizomba surge também ligado ao estilo em 1981, através do “Bibi o rei da passada”, percussionista dos SOS, um grupo que juntando outros estilos, como o merengue angolano, aos ritmos desenvolvidos pelos outros grupos contemporâneos, desenvolveram uma sonoridade mais apetecível e dançante que começou a circular pelas farras angolanas . Um dos membros deste grupo era Eduardo Paim que, após a dissolução dos SOS, se mudou para Portugal levando com ele o ritmo kizomba, que começou a granjear adeptos em terras Lusas mas erradamente confundido com uma variante do Zouk.

A kizomba é normalmente marcada por uma batida forte em ritmo 4/4, dado por um tambor grave como o surdo, acompanhado por uma melodia dada por um prato de choque. Na introdução e durante as pontes, a batida forte é muitas vezes omitida, ficando apenas a melodia dada pelo prato de choque e pelos outros instrumentos da bateria.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *