Observatório das Guerras e Militarismo

Map Unavailable

Data / Hora
Date(s) - 26/01/2019
18:30 - 20:00

0

Categorias


Construir a paz está em nossas mãos; podemos muito mais do que nós próprios pensamos!
Vem à reunião de lançamento do «Observatório das Guerras e Militarismo»; preparemos o primeiro «Fórum Pela Paz»!

A guerra, seja qual for o pretexto sob a qual é desencadeada, não é solução para nada. Os sonhos imperiais das super-potências ou as ambições de tiranetes são muitas vezes mascaradas em lutas pela libertação nacional ou numa multiplicidade de falsas justificações.
Não existe guerra justa, pois a própria guerra é em si um crime: desencadear uma guerra, segundo a própria lei internacional validada pela ONU, é cometer um crime contra a humanidade.
Compreende-se que os intervenientes numa guerra tenham simpatias de uns e antipatias de outros, pois jogam factores étnicos, religiosos, políticos, etc… Mas a única forma de se trabalhar pela paz é reconhecer que o melhor é acabar com uma guerra, seja ela qual for, o melhor é estabelecer pontes que possam conduzir a um armistício ou a um cessar-fogo, seguido por conversações e por fim, um tratado de paz.
A cultura de guerra predomina infelizmente nas nossas sociedades e não temos sabido ensinar as jovens gerações a compreender a verdadeira natureza da guerra e consequentemente a repudiá-la. Esta nossa fraqueza pode nos custar caro, a nós e aos outros.
A guerra é um negócio desastroso para os povos, não poderia ser um inferno maior, o de um povo destruído pela guerra. Agora, as guerras são muito eficazes em termos de destruição. Mas, a guerra é um bom negócio para vários grupos de interesse. O que faz com que a guerra seja tantas vezes desencadeada é a existência de forças obscuras, completamente embebidas no tecido do poder, que têm muito dinheiro e poder, corrompendo e manipulando, tudo e todos, quanto o necessário.

Vê-se isso, de forma recorrente: não são os «Hitler» ou outros, quem desencadeia as guerras; embora estes tenham um papel importante. No fundo, são os grandes potentados do aço, do petróleo (a partir do séc. XX) ou das tecnologias (no séc. XXI) que desejam tal guerra e – para isso – subsidiam todos aqueles que eles acham apropriados para a esse resultado.

O nosso papel é muitas vezes menorizado por nós próprios, porque não temos coragem de sair da nossa «zona de conforto» e educar: educar as jovens gerações; educar os seus pais e avós; educar todos e todas. Educarmos a nós próprios/as, constantemente.
Aliás, é necessário ter um espírito aberto e tolerante, para se poder educar: educar não é inculcar, isto seria fazer doutrinação. Educar é abrir o espírito crítico das pessoas. Depois, elas terão mais liberdade para fazer as suas escolhas próprias, em tomar posição; têm mais dados e mais instrumentos de análise de que podem servir-se em várias situações.
É importante procurar «soluções para a paz» (como dizíamos há algum tempo atrás numa série de mesas-redondas na Fábrica de Alternativas), mas esse passo só pode ser dado se houver um grau de educação (auto-educação) que permita compreender os fenómenos, não apenas historicamente, como no presente.

Isso é possível se houver pessoas que queiram empenhar-se, com real investimento de tempo e esforço, com continuidade também, numa espécie de «observatório das guerras», que deverá aumentar o nosso próprio grau de conhecimento e – em simultâneo – dar aos outros, à sociedade, os instrumentos conceptuais e informações de que ela carece.
Os media não informam, apenas dão «imagens»: as pessoas interpretam as imagens de acordo com as suas concepções prévias, ou preconceitos. As pessoas são portanto ludibriadas, julgando que estão a ser informadas. Pensam saber, até muito bem, porque «viram» isto ou aquilo e – na verdade – sabem pouco e o que sabem é distorcido de mil e uma formas. Não existe ninguém nesta sociedade que não sofra dos efeitos desta «lavagem ao cérebro»: mesmo os activistas mais empenhados, com uma visão crítica do poder, etc… estão sujeitos a ela; é o totalitarismo «soft» do nosso tempo, tão bem analisado por Chomsky e por outros.
Estamos todos sujeitos à lavagem ao cérebro, mas podemos nos «vacinar» se tivermos o cuidado de constituir «anti-corpos»: debater em grupo, sem barreiras artificiais, ideológicas e outras, a problemática da Paz e da Guerra.
No fundo, seria um «Observatório sobre as guerras e o militarismo»+ «Fórum sobre a Paz».
Grande trabalho, mas que vale a pena, pois vem preencher uma lacuna muito grande na nossa sociedade.

Pela minha parte, poderei dar um contributo, se houver um número crítico de pessoas para trabalhar em colectivo. A priori, não tenho qualquer problema com quaisquer correntes, mas o que deve ficar bem claro no espírito de todos é que não se trata de fazer vingar esta ou aquela teoria/visão dos problemas.
Devia-se partir deste princípio mínimo seguinte: a nossa postura individual ou de grupo não é -de todo- a de fazer aceitar os seus/nossos pontos de vista pelos outros. É de construir uma cultura de paz, de diálogo, de tolerância.

Em paz.

Deixar uma resposta