Coro da Achada

Loading Map....

Data / Hora
Date(s) - 03/11/2021
22:00 - 23:00

0

Localização
FÁBRICA DE ALTERNATIVAS

Categorias


O Coro da Achada regressa à Fábrica de Alternativas desta vez para intrepertar temas relativos à celebração dos 150 anos da Comuna de paris.
O espetáculo inicia-se às 22 horas mas antes haverá jantar de Fábrica pelas 20 horas. Quem desejar participar no jantar deve fazer reserva para o email da Fábrica até quinta-feira dia 2. Email:
fabrica.de.alternativas@gmail.com
Entrada livre
O Coro da Achada
O coro da Achada nasceu em Junho de 2009, ainda antes da abertura da Casa da Achada – Centro Mário Dionísio. Pensou-se convidar um coro para cantar na Semana de Abertura do Centro Mário Dionísio (entre 29 Setembro e 5 de Outubro daquele ano). Alguém provocou: “Porque é que não fazemos nós um coro?” E fizemos mesmo. No início, a ideia era cantarmos canções com textos de Mário Dionísio e de outros poetas seus contemporâneos, musicadas pelo Fernando Lopes-Graça. O entusiasmo foi grande. Dois meses depois já éramos perto de 30 pessoas.
O coro da Achada ensaia todas as quartas-feiras às 21h30. É um coro aberto. Basta aparecer e ter vontade de cantar.
Que cantamos?
Canções com textos de Mário Dionísio e de outros poetas que participaram na publicação das Marchas, Danças e Canções (1946) com música de Fernando Lopes-Graça;
Canções com poemas de Mário Dionísio e poetas seus contemporâneos, musicadas por elementos do coro e amigos;
Canções políticas ou ligadas a movimentos de emancipação de outros países e de várias épocas, na língua original ou traduzidas: canções socialistas ou anarquistas, canções anti-militaristas, canções de ou sobre momentos revolucionários (Comuna de Paris, Guerra Civil Espanhola, 25 de Abril, etc), cantos de luta de várias partes do mundo aprendidos com gente de outros coros e com amigos que aparecem;
Canções populares portuguesas;
Canções de cantautores portugueses com novos arranjos (Zeca Afonso, por exemplo);
Outras canções, existentes ou feitas pelo coro ou «oferecidas» ao coro, a propósito de acontecimentos marcantes e movimentos sociais: lutas de trabalhadores, lutas das mulheres, canções sobre imigração, sociedade de consumo, opressão das cidades, habitação ou ecologia.
Em suma: fazemos canções de luta e de liberdade de diferentes épocas e em línguas várias, para além de criações inteiramente novas. Com gente que quer experimentar cantar e criar colectivamente, a pensar na transformação do mundo.

Deixar uma resposta