yazilimweb tasarim

A nossa História

Uma breve história da Fábrica de Alternativas

A História da Fábrica de Alternativas remonta ao dia 4 de Maio de 2013, quando um grupo de cidadãos de Algés se reuniu no Jardim do Parque Anjos naquela que foi a primeira sessão da Assembleia Popular de Algés. Desiludidos com o caminho da política e a sociedade capitalista e consumista um grupo de cidadãos resolveu procurar alternativas locais baseadas na democracia directa e na participação cidadã na vida da comunidade. Nessa primeira Assembleia ficou definido que a Assembleia se reuniria semanalmente aos Sábados de manha.

Quando o frio e a chuva chegaram em força ficou claro que necessitávamos de um tecto e começou a busca de um espaço onde pudéssemos realizar o nosso trabalho. Esse espaço surgiu numa antiga Fábrica desactivada no alto de Algés. Depois de falarmos com um familiar do proprietário chegámos a um acordo para a utilização desse espaço mas que nos obrigou, por motivos de legalidade de contracto, a criar uma Associação a que chamámos de Fábrica de Alternativas.

Entre Outubro e Dezembro foi muito o trabalho de libertar o espaço da Fábrica no Largo Vila Madalena que na altura se encontrava cheio de tecidos, linhas, máquinas e muito lixo. Por o proprietário estar distante e nunca nos ter sido possível contacta-lo directamente, mas sempre e só através de familiares, o contrato de arrendamento acabou por nunca ser feito mantendo a nossa situação no local sempre precária.

 

Mesmo cumprindo todas as nossas obrigações financeiras e acordadas acabámos por, ao fim de uma ano e meio, ter de abandonar o local. Foram tempos difíceis sem ter onde colocar o que tínhamos juntado durante esse tempo nem outro local para nos instalarmos. Assim se passaram seis meses e a chuva começava a deteriorar os caixotes de livros, mobílias e tudo o que tínhamos guardado num quintal debaixo de plásticos. Iniciou-se então uma busca intensiva por uma nova sede para a nossa associação. Sem conseguirmos uma resposta positiva por parte da Junta de Freguesia ou da Câmara Municipal, que apesar de todos os elogios pela quantidade e qualidade do trabalho realizado não nos conseguiram ajudar a arranjar um local para nos instalarmos, acabámos por encontrar, em Dezembro de 2015, um espaço mais pequeno e de deficiente localização, mas dentro das nossas possibilidades financeira e onde ainda hoje estamos instalados.

Muita gente tem passado pela Fábrica de Alternativas, uns mantendo-se activos desde o início, outros acabando por seguir diferentes caminhos e projectos mas sempre substituídos por outros que se vão juntando ao projecto. Ao fim de todos estes anos, mantendo vivos os princípios que nos motivaram no começo, temos mais de oitocentos associados, realizando dezenas de actividades todos os meses.

Continuamos a acreditar na participação cidadã, na democracia directa, na partilha de saberes e conhecimentos, na solidariedade e no dar a mão a quem mais necessita. Não tem sido um caminho sempre fácil, mas é no superar as dificuldades que se constrói a força de um colectivo. Aqui todos são importantes e todos têm os mesmos direitos e deveres. Aqui todos contam e por isso contamos contigo, contamos com todos.

Alguns dados do nosso percurso:

Oficina de Teatro – Uma das primeiras actividades da Fábrica. Iniciou-se a primeira Oficina logo nos finais de 2013 com o encenador Davoud Ghorbanzadeh. A longo de 2014 realizaram-se diversas oficinas que culminaram com a exibição -na Fábrica e no Cinearte- da peça de “A noite” de José Saramago, de uma “Noite Persa com poemas de Umar Khayyãm” – na Fábrica e no Sindicato dos Professores da Grande Lisboa e a peça “Ter ou não ter” exibida na Fábrica e no Teatro Comuna tendo depois parado por impossibilidade do encenador em continuar.
Em Janeiro de 2015 a oficina de Teatro foi renovada com a entrada de Nana Rebelo. Dessa primeira oficina foi representada a peça “Os sete Egos” de Khalil Gibran no Teatro Municipal Lurdes Norberto em Linda a Velha. Foi ainda exibida na Fábrica uma representação de poesias de canções de Abril.

Danças Tradicionais Europeias – As Danças Tradicionais Europeias é outra actividade tão antiga como a própria Fábrica. Desde o seu início tem sido animada pelo André Cid que com a sua dedicação e conhecimentos fizeram dela uma das nossas mais participadas e divertidas actividades. Muitos sorrisos, risos, amizades e sobretudo uma enorme boa disposição. Com a mudança para o novo espaço, por ser mais pequeno, também esta actividade sofreu um pouco. A alternativa de, quando o tempo o permite, fazer na rua tem sido uma opção muitas vezes utilizada. Mais recentemente tem estado intermitente por o nosso mestre ter partido um pé mas esperamos que em Setembro (2017) possa voltar em força e transformar de novo as noites de segunda feira numa noite de festa e alegria.

Apoio ao Estudo – Continuando com as actividades que desde sempre fazem parte da Fábrica falamos agora do Apoio Escolar que sempre foi uma das ideias que nos pareceu de utilidade para a população envolvente ao espaço da Fábrica. Uma actividade gratuita mas que, contrariamente às nossas expectativas acabou por ter pouca afluência de jovens. Com o passar do tempo acabámos por perceber que a gratuitidade afastava os jovens e assim estipulámos um custo (3 euros por 3 sessões de duas horas) que acabou por dar bons resultados. Hoje temos nas sessões de apoio escolar mais de uma dezena de jovens. É bom quando as coisas encontram o seu caminho.

Actividades para Crianças – Para além do estudo os nosso jovens também necessitam de brincar, Assim tivemos manhãs de Domingos dedicadas a eles. Actividades diversas para ocuparem o tempo e se divertirem. Também os contadores de histórias por aqui passaram para os encantar com contos e lendas. Actualmente existe o Yoga para Crianças onde relaxam, meditam, fazem ginástica e sobretudo também se divertem muito.

Conversação em línguas estrangeiras – Paralelamente ao Apoio escolar, mas para todas as idades, também tem havido ao longo dos anos aulas de conversação em diversas línguas. Actualmente funciona o Espanhol e o Italiano e espera-se para breve o recomeço do Francês e Inglês.

Jantares da Fábrica – Um pouco copiando o que já acontecia em alguns espaços “libertários” de Lisboa sempre houve a ideia de fazer jantares na Fábrica sempre que possível. Recorrendo à respiga quando havia essa possibilidade confeccionava-se comida que depois era disponibilizada a preços acessíveis (3 euros por refeição) ou oferecida a quem não pudesse pagar. O aparecimento do Chef Cláudio na nossa fábrica aburguesou-nos um pouco e passamos a exigir comida mais saborosa e confeccionada com a arte da boa cozinha. Hoje come-se bem e barato na nossa fábrica. Comida geralmente vegetariana, mantendo-se o preço de 3 euros para associados pertencentes ao banco de horas e 4 para os outros. Quintas e sábados (em que há actividades marcadas) são os dias normais de serem servidos jantares.

Cinema – Outra das actividades que remonta ao inicio da Fábrica. Ciclos de cinema dedicados a temas diversos e filmes que normalmente não passam no circuito mais comercial. Os filmes são escolhidos por um Grupo de Cinema a quem a Isabel Martins tem desde sempre dado alma. Em alguns meses é dado a possibilidade dos associados proporem filmes que depois podem apresentar na sessão da sua exibição. Actualmente as sessões de cinema são à quinta-feira precedidas de um jantar confeccionado pelo Chef Cláudio.

Exposições – Uma das ideias originais da fábrica mas que só ganhou consistência neste novo espaço com exposições que procuramos sejam mensais. Aberto a todos basta que surja o interesse dos artistas em mostrar a sua obra e muitos têm sido.

Biblioteca – Existiu na Fábrica desde o seu inicio. Lá podem ser requisitados livros havendo ainda outros disponíveis para trocar ou oferecer. Infelizmente não pode crescer mais por falta de espaço.

Iniciação ao Xadrez – Outra das actividades iniciais da Fábrica. Nunca teve grande procura tendo aparecido esporadicamente alguns jovens que desejam aprender. No entanto o Xadrez foi durante muito tempo o jogo mais jogado na Fábrica. Algumas noites houve em que todos os tabuleiros que tinham estavam ocupados. Hoje joga-se menos mas a Fábrica também deixou de ser um local de encontro da noite de Algés só funcionando quando há actividades. Espera-se que a criação de uma noite semanal dedicada a jogos de mesa o possa fazer renascer.

Reiki – Outra actividade que existe desde os primórdios da Fábrica. Umas vezes com mais praticantes a oferecer os seus serviços, outras com menos, sempre foi possível receber uma sessão de Reiki gratuita. Talvez por isso, ser gratuita, a procura não supera as expectativas mas isso é algo que só a consciência de cada um pode decidir. Realizaram-se ainda algumas partilhas de Reiki e neste momento parece haver um ressurgimento de pessoas interessadas em oferecer e partilhar Reiki.

Chi Kung e Tai-Chi – Primeiro Chi Kung com a nossa Mila e mais recentemente já nesta Fábrica o Tai-Chi com a Cristina Castro são duas actividades semanais que nos têm acompanhado e ajudado a manter as energias do nosso corpo em harmonia.

Alongamentos e Flexibilidade – Uma actividade que surgiu em 2016 com a presença da Instrutora Vera e que semanalmente ajuda a a relaxar e a manter o corpo em forma.

Massagens – Eis uma das actividades que ao longo de todo o tempo de existência da Fábrica sempre existiu e realizada por pessoas muito diversas. Massagens terapêuticas, manipulativas, de relaxamento, ayurvéda e outras. Basta consultar as nossas actividades.

Terapias alternativas – Para além daquelas de que já falámos acima a Fábrica também oferece actualmente tratamentos de Naturopatia e de Terapia Sacro-Craniana. As actividades mais esotéricas também têm o seu espaço próprio com actividades como a Mesa Radiónica ou a Leituras Esotéricas.Também o Tarot terapêutico ( junção entre Tarot e psicoterapia) tem sido uma alternativa muitas vezes procurada para quem necessita de ajuda na sua vida. As Constelações Familiares é outra das técnicas que também e possível encontrar na Fábrica. Durante alguns meses a fábrica teve nas suas instalações consultas de acumpultura que infelizmente acabaram por impossibilidade do terapeuta.

Yoga – Outras das actividades que tem existido intermitentemente ao longos do tempo de existência da Fábrica. Durante vários meses acontecia em duas manhã na Fábrica sob a competente instrução da “Mestre” ….. Quando a fábrica mudou de instalações chegou a haver várias tentativas de reactivar a actividade com diversas propostas realizadas por diversas pessoas. Sá mais recentemente o aparecimento do Instrutor Pedro Cunha tem possibilitado o renascer da actividade no nosso espaço.

Yoga do Riso Também o Yoga do Riso fez a sua passagem durante algum tempo pela Fábrica. Muito se riu quem participou. Aguardamos que um dia voltamos poder voltar a rir como nessas sessões.

Meditação – A Meditação surgiu na Fábrica através de algumas associadas que necessitavam de um espaço para a realizar. Com a partida da “Mestra” para o estrangeiro foi-se realizando com a prata da casa até surgir o Miguel Pedrozo, um aspirante a monge, que assumiu essa responsabilidade durante vários meses. Por dificuldades diversas a actividade regular acabou tendo-se realizado somente algumas sessões esporádicas. Espera-se, por todos os benefícios que traz a quem a pratica, que um dia a meditação possa voltar a fazer parte da vida da fábrica.

Oficinas – Durante todo este tempo muitas foram as oficinas que existiram por períodos mais ou menos prolongados e outras que se limitavam a uma única sessão. Costura, macramé, Ourivesaria com cobre, Sabão e produtos de limpeza são alguns exemplos das primeiras e artesanato com folhas, cremes e elixires naturais, malabarismo, cerâmica etc etc exemplos das outras. O melhor é consultar as nossas actividades realizadas listadas abaixo.

Oficina de Ilustração e Desenho – Uma actividade que existiu durante vários meses na Fábrica. O nosso Instrutor “Frederico” que morava logo ali ao lado, com a sua mestria e arte, consegui que ao fim de algum tempo já desenhássemos pessoas, mãos e pés que pareciam pessoas, mãos e pés. Com a vinda para a nova fábrica terminou essa actividade mas mais recentemente temos uma Artista, Bé Cabrita, que iniciou cursos para jovens.

Danças – Vários tipos de dança têm passado pelas oficinas da Fábrica. Primeiro as Danças Orientais orientadas pela Instrutora Ruth Plácido, (que também se propôs a dar danças para a terceira idade mas que, talvez pela dificuldade de acesso à fábrica, nunca chegaram verdadeiramente a funcionar). Mais recentemente a Lena Pires deu aulas de Kizomba e depois de Danças de Salão.

Debates e Tertúlias – Tantos e tão diversos que podem ir do Xamanismo à crise da Dívida ou à Democracia. Na Fábrica somos apartidários mas não somos apoliticos. Esta é uma das actividades que sempre se realizaram na Fábrica. Umas vezes informativas, outras vezes formativas e outras ainda para falar e debater problemas da nossa sociedade e da nossa vida do dia a dia. Consultar na lista abaixo.

Espectáculos e Concertos – Foram muitos ao longo do tempo, do Teatro à poesia, performances e claro muita música. Consultar a lista abaixo.

Festas e Celebrações – A vida merece ser festejada e qualquer desculpa é bom para saltar e sorrir. Muita festa, muitos jantares, muita alegria. Também fizemos muito disso, Ver abaixo.

Produtos da Fábrica – As oficinas que realizamos e a imaginação dos nossos associados criam objectos originais que depois estão disponíveis para ser adquiridos na Fábrica.

Cadernos Selvagens – São uma publicação trimestral da Fábrica de Alternativas aberta à participação de todos os que desejem editar os seus textos, sejam eles políticos, económicos, contos ou poesia. Todos estão convidados a participar e ver os seus escrito publicados e divulgados

E outras coisas – A Fábrica procura ainda ser útil à comunidade onde se insere aceitando distribuir ou divulgar iniciativas locais. Pão artesanal, cabazes de produtos biológicos podem ser encomendados e recebidos na Fábrica.

 

Aqui fica uma lista dos nossos eventos ao longo do nosso percurso. Alguns representam actividades pontuais outros actividades que aconteceram ao longo de meses ou anos, sendo algumas tão duradouras como a própria Fábrica.